Tuesday, February 13, 2018

Book V - Chapter XII - Christian and Anastasia FanFiction



“Abandon All Hope Ye Who Enter Here”
Written above the gates of Hell (Dante’s Inferno)

The flight and the ride home be can be described in one word: charged.
“Come on little man. Let’s put you to bed,” I pick Teddy up from Gail.
“He is much too active to go to sleep, Mr. Grey. I think the trip sort of wore him out.”
“He is not the not the only one,” I murmur.
“Dinner should be ready in an hour, sir,” she says as she walks towards the kitchen. I hold my son in my arms tight and gently place his head on my shoulder. He has this uncanny ability when he tries to slither out of my arms or tell me what he wants simply with his body language. Of course, the first thing Teddy does is to grab my hair.
“Hmmm. I believe another haircut is in order, Mr. Grey.” Ana’s unexpected voice makes me turn around. Her giving me a haircut brings forth delicious memories.
“As much as I would love to take you up on that offer, you with a sharp object when you’re still mad at me is not a good thing.” She isn’t sure if she should be sore at my response. Not to mention, I’m still mad at her. Ana extends her arms to take Teddy for bed who is now interested in my face.
I lift Teddy up in the air. “This is my son!” I say in utter pride. I feel a déjà vu moment.
“Careful, Cristian! He’s so little!” Ana’s voice is anxious which is completely the opposite of Teddy’s happy baby giggle that echoes in the room.
“He’s his father’s son! He loves it! Don’t you son?” Of course, Teddy understands none of it. He just wants me to entertain him.  This has become his favorite game and a source of Ana’s mild anxiety.
“Boys, please!”
“Should we make mommy happy, Teddy?” I ask him as I slightly toss him in the air. And the happy baby giggle echoes again.
“Alright, alright,” I laugh out loud. “Mommy wins! Bedtime it is.” Ana and I take Teddy to his bedroom. The only book he shows a lot of excitement when we read to him is Goodnight Moon, the book we’ve read him every night ever since he was brought home from the hospital.  
Goodnight Moon

Ana wants to broaden his young horizons by reading him The Tale of Peter Rabbit. She shrugs.
“It was my favorite. I’d like it to become one of his favorites.”
When we lay our son to bed, he’s finally yawning, listening to the little hippo which has the actual recording of the sounds of Ana’s heartbeat and the sounds he would have heard when he was in her womb. Somehow, it makes him feel comfortable immediately and his baby lids are drooping. As we exit our son’s bedroom, I turn to Ana. The serious expression on my face says it all. But my words make it clear.

“The path to paradise, begins in hell”
Dante’s Inferno
In the Shadows ~ Amy Stroup
“Now, it’s your turn to tell me a real-life bedtime story.”
“Christian, I don’t wanna talk about it!” she complains.
I grab her by the waist and lift her on my shoulder. She stops at mid-shriek for fear of waking Teddy.
“Our bedroom, or shall I pleasure you helpless in our Playroom 2 to confess it all?” I feel the excitement shudder run through her.
“Christian!” I can feel her roll her eyes in the way she utters my name which earns her a loud spanking on her ass.
“Not bedroom or the Playroom 2. The library, please,” she says. 

“If you think I can’t fuck you seven shades Sunday in the library, you’re either forgetful or naïve, Mrs. Grey!” The clatter on the counter and the subsequent fumbling for a cleanup lets me know that Gail heard me.
I turn the nob and kick the door closed after entering the library and lock it. It’s Ana’s favorite room in the house. The warm rich red color of reclaimed Brazilian rosewood from an old abandoned mansion invites you in to sit down, almost embraces you. Having the wood re-sanded brought out the distinct rose-like scent as if it’s early spring and roses are budding. There are several leather sofas and chairs to invite you in to spend hours reading. It has a balcony overlooking the Sound. Everything about this library says, come and relax. The lighting is dim and controlled.

“Are you going to put me down, Sir?” She sounds amiable.
“I’m thinking about it. Still not sure if I want to avoid giving you a form of punishment.” She wiggles to slide down. I smack her butt again.
“Only when I say, you can.” My warning is decisive. I don’t know if I can manage to have full control because she scared me for her well-being so much. Her transgressions are many: Evading my phone calls, leaving to meet Ella's pimp and his brother at the hospital which I thought she was there as a patient, hiring a PI without talking to me… I don’t know where to begin. I can get through to her, but she’s not gonna like the way with which I get through. Well, she'll love it during, but will hate me afterwards. And I’m going to feel like shit. Still undecided the course of action I wish to take, I let Ana slide down.
“Let’s have it out in the open, Ana. Knowing how terrified I would be, why did you put yourself in harm’s way? You’re not just Ana Grey, my wife, but you’re Teddy’s mom! Forget about me, didn’t you even think of him? Do you have any idea how it would affect him if anything happened to hurt you?” I try to hold the overwhelming anxiety bearing down on me.
“There it is!” Ana says.
“There what is?” I shake my head questioning. Her hands lift up and gently hold my face.
“I’ve learned a lot from you. How to be cautious, to be safe, to plan, to learn to take control…”
“But you had not taken control, Ana!”
“Alright, fine, therapy time.” Ana digs her cell phone out of her pocket, scrolls through the contacts list and dials  a number. When a surprised voice answer after the second ring, I shake my head with a small smile.
“Ana, what a surprise to hear from you. Are you still in Detroit?” She’s put the phone on speaker.
“No, we’re back Dr. Flynn. But we’re having a slight problem. We really need to talk to you now, if you are available.” Flynn charges me premium times two for the unexpected phone calls, and it’s still pocket change for me. In the large pool of very expensive shrinks, he’s the best therapist I’ve had who managed to become my friend. I motion my hand to take the phone, put it on the table and lead her to sit on the beckoning leather sofa. She sits cross legged facing the phone. I sit next to her.
“How was the trip to Detroit?” Flynn asks. The single significant question that opens the floodgates. After he hears the gist of what had happened in Detroit – good and bad I might add, and Flynn listens and asks questions only to clarify the story.
“I’m very impressed, Ana,” he states once there is a pause, making me roll my eyes. Ana smiles. “How did you arrange the PI, and how did you manage to locate the pimp?” he asks in his follow up question. I’m curious to find out about that myself. She looks at me briefly and sighs.
“I researched about various PIs and one struck me as very sharp, a former detective who closed 93% of his cases. I also picked Detective Clark's brain on how to choose a good PI.”
“Jesus! So, you just picked a P.I. out of the thin air!” What if he was douche and once he figured out who she was, he used this information to harm us? Harm her?
Ana sees the horrified look on my face.
“Christian, I’m not an idiot!”
“It’s not a matter of you being an idiot or not, Ana! You’re one of the smartest but also the most stubborn, tenacious and a go-getter, headstrong woman I know. My problem is you, being unwilling to understand that I have enemies, rivals, people who wish to see me, or those I love harmed. That’s why it’s important that you leave those things that may put you in harm’s way out of your ‘to do list’!”
“Why can’t I protect you?"
"I pay Taylor very good money to do just that!" I bark. 
"Christian, I'm not talking about bodyguarding you! Why do you insist suffering through your nightmare when it’s all too simple to have a faceoff with the man who has the leading role in your pain? You hurt, I hurt, remember?” she softens her voice.
“If I wanted to have a face-off with him, I would have done it long ago. I hated that man all my life more than anyone! More than Linc! Hell, until Hyde got in to our lives in his destructive ways, Detroit Willy was the reigning champion of my most hated list! What I’m telling you is simply this: everything and everyone become inconsequential when it comes to you and my son. If it's a choice between the possibility of you getting hurt and I continue to have nightmares till I die, I take the latter.”
“What about your family, Christian?” Flynn’s disembodied voice rises from Ana’s phone in a non-judgmental tone.
“I love my family. But Ana is different. I’m different when I’m with her. I cannot, under any circumstance handle it if she got harmed.” Ana’s hand finds mine with sympathy as she turns to me and leans in.
“But, Christian, you shouldn’t stop me because there is a remote possibility that someone might hurt me for some grudge against you that I don't know about.” This statement alone makes me angry, because the possibility is not remote; it’s all too real. She’s been kidnapped, our baby had been kidnapped not long after he was born. The threat is always present, and it has happened even though I had ample amount of precautions set in place. I state all these concerns with utmost control that would make the devil proud.
“Christian, I’ve taken all the precautions you find worthy. You and your security team gave me detailed information about being safe in Detroit. I have been safe. Studied the locations and I already knew that Detroit Willy was incapacitated. I just didn’t know how badly, and when the PI went to the hospital to arrange” she air quotes the word, “the meeting, he found out that Willy was in and out of consciousness and he could die any day, any hour in fact, keeping his secrets with him about Ella, and perhaps forever damning to your nightmares. I could finally help you with potentially freeing you from the nightmares!”
I look at Ana silently. To free me from the nightmare I’ve had all my life, my wife was willing to put herself in danger. I fucking adore her and yet I’m mad at her for being so fucking reckless.
“You could have been hurt!”
“There was minimal risk, Christian. There was the PI who was supposed to provide part of the bodyguarding, and I knew if I made sure that Sawyer didn’t get a chance to alert you, he could be the primary bodyguard. I just didn’t count on Willy having a brother.” This she mutters. “I don’t want you to make me this irreplaceable, easy to shatter part of your life, like an object so that I don’t get to be a full partner in your life,” She pleads.
“You don’t want to be irreplaceable? Why don’t you just tear my heart out!”

“What do you say to that, Christian?” Flynn directs his question to me, totally ignoring Ana’s child-like response. I’m mad at both of them!
Ten… nine… eight… seven… six… five… four… three… two… one…” I count in my head, then exhale deeply.
“Clearly, my wife forgets that she is a full partner in my life. Yet, she treats me as if I don’t have a say in her safety. Why don’t you trust me, Ana? because I have been dealing with enemies most my professional life. She didn’t. This is something I have to teach her, but I can’t teach her anything if she doesn’t believe there’s any real danger!” I scoff.
“I’m sorry that I wasn’t clear Christian. I meant irreplaceable as in one of your art works, or like one of the pieces in Louvre…” after seeing my poker face, she fumbles. “I don’t think I’m making myself clear. It’s simply this: Don’t you understand that I’m trying to prove you that I’m worthy of you, Christian! If I can’t be a full partner in your life, then any woman can replace me.” Ana blurts out.
“Ana, you don’t have to try to prove your worth to me. I mean, isn’t it enough that I went crazy when I found you hurt last year? You nearly lost our son! Isn’t one trauma enough? You know why you’re important to me?” I fully turn to face her. She shakes her head, ‘no’.
“Every woman who occupied that room in Escala and was in my life for a time, only gave me empty pleasure.”
“If you gave them the chance, they could show you their love as well. How am I different if I can’t be your full partner in marriage?” She retorts, goading me.
“No. What those women had seen in me are a few things: mystery, great sex, a wealthy man. They had a need to be dominated and I had a need to dominate. I fulfilled my need to be dark and their most passionate desires. I was a drug for them. But they’ve all been replaceable. Fantastic pleasure can still be empty pleasure. You already know that about them, Ana. We’ve talked about this a long time ago.” She ignores what I’m trying to say and devalues herself.
“What about me, then? Just fantastic pleasure with a little more intrinsic value?” she asks fervently.
“Ana, why would you define your value with Christian in such terms?” Flynn asks.
“I’m not defining, I’m asking.” She retracts.
“I believe you have come to that conclusion, because you want him to validate the answer you have in your head.” He follows up. Ana closes her eyes.
“I don’t know if that’s what I’m thinking, Dr. Flynn. Truthfully, Christian is exceptionally good at showing a poker face when it comes to his emotions. But, somehow, when I want to do something important to help him, he does not control those emotions. It makes me think that I’m an expensive artifact that he doesn’t want scratched, chipped, or broken. I don’t want kid gloves.”
Anaaa,” Flynn’s voice is fatherly, gentle. “You want Christian to control his emotions when he finds you by the bedside of his mother’s former pimp, and if I were to put it in your words, ‘the man who had the leading role in his pain’ and the source of his nightmares?” Flynn calmly asks.
“But isn’t it what you teach Christian, to control his emotions? Wouldn’t it be helpful if he practiced that until he fully understood what exactly was happening?” She almost shouts towards the phone.
“Jesus Christ!” I mutter as Ana ignores me, rolling her eyes.
“Ah… You misunderstand what it is I teach Christian. I don’t teach him to control his emotions. Emotions can’t be controlled; they’re channeled. If they are not channeled properly, the individual pays for it, one way or another. I help Christian understand those emotions. My primary job is to help him become aware of what it is he is feeling, oooor,“ he drawls, “as he has done for years, what he was trying to avoid feeling. He told you how destructive he was as a teenager.” Ana closes her eyes, and I read her lips silently whispered two words: “Oh nooo!
Flynn continues, “Ana, we can’t avoid feelings without facing the consequences. Christian already knows how to keep the disruptive emotions and impulses in check which in return helps him maintain control over his actions.”
“He would not have let me go had he knew I was going to see mm…” she stumbles on her words, “Mr. Detroit Willy. You say that emotions can’t be controlled, but what about my emotions, my need to, desire to protect my husband? Sometimes it takes calculated risks to accomplish something significant, and I have accomplished that!” she says with a slight pride in her voice.
I hold my hand up.
“Alright. Since you made this enormous effort and had indeed shown me that pimp is really a helpless feeble man, I’m willing to put feelings, fears or concerns for you aside for the time being. Tell me the whole story.”
After a deep sigh and inhale later, she says:
“After seeing the prospect that his brother might be seriously hurt, Willy was  talkative. Well, as talkative as a dying man can be. Maybe he wanted to be absolved of his sins; or at least, if you believe the small cross tattooed on his neck.” She shakes her head and continues.
“Anyway, he told me that Ella was a runaway teen. I’m not sure if she was trying to find herself or experienced problems at home. But she was gone at seventeen with her boyfriend. She got pregnant with you at eighteen and her teenage boyfriend  got scared of the prospect of becoming a young dad I suppose, and she was had no choice but to come back to her parents. But she didn’t tell them she was pregnant. At first, she hid it, but then she told her mom. Once the dad found out, they gave her two options: either have an abortion or get kicked out of their home. She was in her first trimester, so they thought an abortion could be easy to accomplish. I guess they hoped she would change her reckless ways and go back to school. You know the option she chose and the consequence.” she starts. Thousands of images go through my mind. Ella made the choice to have me even if it meant she became homeless. Why then did she become such a shitty mom?
“It still doesn’t tell me if she had me while she was still living with her parents. They could have changed their minds.” I ask hopefully. Everyone deserves a second chance. She shakes her head ‘no’.
“When Ella was adamant in not aborting you, she was also adamant that she wouldn’t give you up for adoption. So, her parents thought she made her bed, let her lay in it. She had to leave. Even if the parents were bluffing or showing tough love to see things their way when things got tough, she made a choice and left for Detroit on a bus. She may have been on a quest to show them off – you know her choices would be better than theirs. But as soon as she got off the bus, she was accosted by a pimp who recruits such young woman – beautiful but with no family looking for them. Young, beautiful and vulnerable; just the way they like them.” I don’t even realize my hands are clenched hard until my nails dig enough to hurt.
“Was it Willy?” I hiss my question.
“Someone working for him; his recruiter. Promised her a job, a place to stay which she desperately needed. She was too naïve, and he was very good at his job. They didn’t find out she was pregnant until she started showing after almost six months.”
“She accepted being a whore right off the bus while pregnant?” I have little control over my anger.
“Christian, let her tell the story, and reserve your judgement after you heard the whole thing,” Flynn’s voice tries to calm me down.
“The recruiter didn’t say he was running a whoring agency, Christian. He accosted her with a prospect of low rent and possible employment. When the employment” she air quotes again, “didn’t pan out, and the rent, food, and minor expenses was paid by this supposed new friend, he broke her mentally and physically down into her new profession. Usually women who refuse are gang raped. Made feel inferior. Drugged. That way, they’re totally dependent on their pimp.” Ana stops for a minute and inhales. I think this is exactly what Ella went through.
“I have to confess; I didn’t just do this for you. Ella was a woman. A teen mom, all alone, or she thought she was all alone. She was in the hands of predators. Even if she was strong enough to leave that lifestyle, Willy said they had severe punishments for women who tried to run away from their pimps, and almost nobody cares if a prostitute is killed. Willy’s hold on her was you. He said that almost all prostitutes who have kids turn the kid over to Child Protective Services. Ella wanted to keep you. So, he drugged and threatened her that the moment she even thought of running away or go to another pimp, he’d make sure you were taken away. After I heard all of that, I was even more convinced that her honor needed to be rectified as a woman.”
“I should have killed him!” I shout and the crystal vase we’ve purchased in Paris is smashed against the wall. Fifteen seconds later, there’s a knock on the door.
“Is everything okay, sir?” Taylor asks on the other side of the door.
“Yes, Taylor, it is,” Ana replies in a kind voice.  
“Are you sure?”
“Yes, just have Gail come in half an hour with the broom, please,” she replies.
“Christian, I want you to come to my office tomorrow,” Flynn’s voice chimes in along with my security detail.
Ana comes closer. “Christian. There are a few things you need to know. Ella loved you and fought to keep you despite all her weaknesses.”
“Maybe she should have given me up!”
“Or maybe she just couldn’t trust the world where all she trusted turned their backs on her. First the boyfriend, then her parents, and then the pimp. You were all she had.” Ana defends her.
“Don’t you get it Ana? It doesn’t matter that I’m all she had. She was high most the time to even realize I existed. I, a 4-year-old child took care of her! She gave up in the end! After all she fought for, she accepted defeat!” There’s nothing but understanding and sympathy in Ana’s eyes.
“Christian, you were her weakness. She couldn’t give you up, but she couldn’t provide you with a decent, normal life, either. In fact, Ella attempted to run three times. The pictures she sent to her family was her effort to go back to them with her tail tucked in. But her pimp squashed it when they came looking for her. He told them that -excuse me for this, ‘the whore is dead’. They were going to look for you which wasn’t good for Willy’s business. So, he said, ‘why do you think the bitch is dead? Because she was a piece of shit mom and didn’t take care of her kid. He died, she killed herself.”
“And they bought it?” I am completely incredulous.

“At grief so deep, the tongue must wag in vain; the language of our sense and memory lacks the vocabular of such pain.”
Dante’s Inferno

“They must have, because of how she fought with them to keep you. So, she, never got to see her parents after she left them. Ella was kept in utter desperation. She was a slave to her addictions and to her pimp. As long as she was alive, the pimp would use your existence as a leverage against her. The only way she could find to give you a shot at a normal life out of her own miserable one was to take herself out of your life. That’s why she killed herself, Christian! An ultimate act of maternal love.”
“What?” I can’t recognize my own voice. Shaken to the core with realization that in all her shitty parenting, she really loved me. Yet, I caused her death.
“Christian, you were the only thing that was pure and right in her life. You were the love child, puppy love at that, but love nevertheless. You were the culmination of her hopes and dreams.”
“I was her Achilles heel! She could have had a normal life away from pimps, and johns and drugs had she aborted me…” Ana interrupts.
“She could have also given you up for adoption once you were born. This isn’t on you, Christian! Ella wanted you, like any mom who looks forward to the day she holds her baby in her arms. She made that choice willingly, but when she was trapped in drugs  - mainly heroin, and prostitution, she could only think one way to save you.”
“No! no. no. no.” First, I freeze in place, then I have an uncontrollable shaking take over me. Ana rushes to me and hugs me as tight as she can. My arms don’t cooperate with me to hold her back.

Unsteady - X Ambassadors

“Christian, listen to me,” Flynn says firmly. “If Ella was addicted to heroin, whether she had you with her or not, she was already in the clutches of destruction. You know all about addictions. Heroin is stronger than any human tie, any compelling argument, and stronger than any devout religious belief that the addict holds dear. It’s as if the addicts are possessed. They have very little to no capacity to care. Their perception of reality is gone. If Ella had a moment of clarity, she would have realized that. For her to keep you with her in that environment had more negative effects on you than anything else you've experienced afterwards. As for you being aborted or not: There are babies born to teen mothers every day. Those children can very well, go on to live happy lives if the mom has support, or if the baby is adopted by another family. She made choices like we all do every day. We don’t get to blame others. You don’t get to bear the burden of her choices. She paid for it fully, so you can have a life. Would it any way be honoring her if you toss that away?” Words leave me. I must be in shock.
“Christian, talk to me please! Christian!” She holds my face in her hands and looks at me. I just look through her.
“Christian! Look at me! Eyes, baby! Christian! Dr. Flynn, he can’t stop shaking!” shouts Ana, her voice distant. She lightly taps my face with both hands.
“Look me, baby!” she orders, the bossy thing.
“Ana!” with that authoritative call of her name, he gets her attention.
“Yeah!” she says full of attention.
“This is perfectly normal. He’s had a lot to take in, and even for a tough guy like Christian, it’s overwhelming. He’s grieving right now. Give him time. I’ll be there soon,” and he hangs up. How rude!
“Christian!” and she climbs up on my lap, and just locks her lips with mine. Softly first, then almost goading me to take charge, forcefully pulling me up from the depths my soul sunk in, she kisses hard, sucking my lower lip, grazing with her teeth. Her delicious scent permeates my senses. She pushes my hands to my back effectively taking the upper hand. That snaps something inside me and awakens.

I move like a cobra, lift her up and flip her on her back on the sofa, effectively pinning her down.
“Topping from the bottom again, Mrs. Grey?” I murmur into her lips. Sex has always been my coping mechanism. 
“Welcome back,” she whispers, and wraps her legs around my waist. I grab her arms and pin them above her head.
“Mrs. Grey, I’m gonna fuck you seven shades of Sunday!” I effectively pin her under me and expertly move my pelvis on her sex. She can only moan in response.
There’s a loud knock on the door.
“What!?!” I bark.
“Mr. Grey, there’s an important matter that needs your attention.” What could be so important right now?
“My office!” I order.
"Sir," is Taylor's response. 
“You promised seven shades!” Ana protests.
“Rain check for later, baby. I’ll make it worth your while for waiting,” I say gently.
“Christian?” her utterance of my name is loaded with worry, concern, and mad only in the way a woman who didn’t get the seven shades of Sunday sex she is promised. That edge makes me smile.
“You know, I always keep my word, baby. Besides, Flynn should be here soon. Okay?”
“Okay,” she acquiesces after she sees that I’m back in control. As I reach the door, she calls out to me, again.
“Christian!” I look back.
“You are most of all… l’amor che move il sole e alter stele,” she quotes from Dante’s Paradiso. This time my smile has warmth. 
“On the contrary Mrs. Grey, you are the love that moves the sun and the other stars. I never thought I’d identify with all these men tortured by love. Dante, Heathcliff, or even Darcy. You are my Beatrice, Catherine, Elizabeth all bundled in one. My Anastasia.” With that she runs to me, more like jumps me to kiss me with all she got.

*****          *****

“A rapid bolt will rend the clouds apart,
and every single White be seared by wounds.
I tell you this. I want it all to hurt.” 
Dante AlighieriInferno

Two minutes later, I’m in my office.
“I just received a text, sir,” Taylor starts without a preamble. I look at the name, and I don’t recognize it. Pierce the S.
“Who is Pierce?” I ask.
“Mrs. Lincoln’s uh… new friend.”
“You called me here, away from my wife for Elena's sake?” Now, I’m really angry.
“Mr. Grey. Read the text, please."

*Mr. Taylor. Mrs. Lincoln said you are aware of me. I was only to contact you in life and death situations. I think this counts as one: Someone purposely hit her car on the driver's side this afternoon & she's hanging on to life by a thin thread. Help!*

There is a picture of Elena attached to the message looking worse than when Linc beat the shit out of her. Fuck!   

Livro V - Capítulo XII -Christian e Anastasia

Quarta-Feira, 14 de fevereiro de 2018



“Abandone Toda Esperança Você que Entra Aqui”

Escrito acima dos portões do Inferno (Inferno de Dante)
Tradução: Neusa Reis

O voo e a ida para casa podem ser descritos em uma palavra: tenso.
― Venha, homenzinho. Vamos colocá-lo na cama. Eu pego Teddy de Gail.
― Ele está muito ativo para ir dormir, Sr. Grey. Acho que a viagem o deixou exausto.
― Ele não é o único, eu murmuro.
― O jantar deverá estar pronto em uma hora, senhor, ela diz enquanto caminha em direção à cozinha. Seguro o meu filho nos braços, apertado, e gentilmente coloco sua cabeça no meu ombro. Ele tem essa habilidade estranha, quando ele tenta deslizar dos meus braços ou me dizer o que ele quer, simplesmente com sua linguagem corporal. Claro, a primeira coisa que Teddy faz é agarrar meu cabelo.
 ― Hmmm. Eu acredito que está na hora de outro corte de cabelo, Sr. Grey. A voz inesperada de Ana me faz virar. Ela cortando meu cabelo me traz sempre lembranças deliciosas.
 ― Embora eu adoraria aceitar essa oferta, você com um objeto afiado quando ainda está com raiva de mim não é uma coisa boa. Ela não tem certeza se ela deveria estar magoada com minha resposta. Para não mencionar que ainda estou bravo com ela. Ana estende seus braços para levar Teddy para a cama, que agora está interessado em meu rosto.
  Levanto Teddy no ar. ―  Este é o meu filho! Eu digo com todo o orgulho. Sinto um momento de déjà vu.
 ― Cuidado, Christian! Ele é tão pequeno! A voz de Ana está ansiosa, o que é completamente o oposto do riso feliz de bebê, de Teddy, que ecoa na sala.
 ― Ele é o filho de seu pai! Ele ama isso! Não é, filho? Claro, Teddy não entende nada disso. Ele só quer que eu o entretenha. Este se tornou seu jogo favorito e uma leve fonte de ansiedade para Ana.
 ― Meninos, por favor!
 ― Devemos fazer a mamãe feliz, Teddy? Eu pergunto a ele enquanto eu o levanto levemente no ar. E o riso alegre do bebê ecoa novamente.
 ― Christian!
 ― Tudo bem, tudo bem, − eu rio em voz alta. ― Mamãe ganha! É hora de dormir.  Ana e eu levamos Teddy para o quarto dele. O único livro que ele mostra muita excitação quando lemos para ele é Goodnight Moon, o livro que temos lido todas as noites desde que ele foi trazido do hospital para casa.
Goodnight Moon
Ana quer ampliar seus jovens horizontes lendo para ele The Tale of Peter Rabbit. Ela encolhe os ombros.
 ― Era o meu favorito. Eu gostaria que se tornasse um dos seus favoritos.
Quando colocamos nosso filho na cama, ele finalmente está bocejando, ouvindo o pequeno hipopótamo que tem a gravação real dos sons dos batimentos cardíacos de Ana e os sons que ele teria ouvido quando estava no ventre dela. De alguma forma, faz ele se sentir confortável imediatamente e suas pálpebras estão fechando. Quando saímos do quarto do nosso filho, volto-me para Ana. A expressão séria no meu rosto diz tudo. Mas minhas palavras deixam isso claro.
O caminho para o paraíso, começa no inferno
                                                                                                  O Inferno de Dante

In the Shadows ~ Amy Stroup

 ― Agora, é a sua vez de me contar uma história da hora de dormir da vida real.
 ― Christian, eu não quero falar sobre isso! − Ela reclama.
Eu a pego pela cintura e levanto-a no meu ombro. Ela pára no meio do grito por medo de acordar Teddy.
 ― Nosso quarto, ou devo dar prazer a você, impotente, em nossa Sala de Jogos 2, para confessar tudo?  Eu sinto que um tremor de excitação a atravessa.
 ― Christian! − Eu posso sentir ela rolar os olhos no momento que ela pronuncia meu nome, o que a faz receber uma palmada forte em seu traseiro.
 ― Nem no nosso quarto nem no Quarto de Jogos 2. A biblioteca, por favor, − diz ela.

 ― Se você acha que eu não posso fodê-la, de toda forma imaginável, na biblioteca, você é ou esquecida ou ingênua, Sra. Grey! − O barulhão no balcão e a subseqüente desajeitada tentativa de limpeza me fazem saber que Gail me ouviu.
Giro a maçaneta e chuto a porta para fechar, depois de entrar na biblioteca e trancá-la. É o cômodo favorito de Ana na casa. A cor vermelha quente do mogno brasileiro, recuperado de uma antiga mansão abandonada, convida você a se sentar, quase abraça você. Ter a madeira lixada de novo revelou o distinto aroma de rosa,  como acontece no início da primavera quando as rosas estão brotando. Existem diversos sofás de couro e cadeiras para convidá-lo a passar horas lendo. Tem uma varanda com vista para o Sound (N.T. Estuário do Sound). Tudo nesta biblioteca diz, venha e relaxe. A iluminação é fraca e controlada.

 ― Você vai me colocar no chão, Senhor? − Ela parece cordial.
 ― Estou pensando sobre isso. Ainda não tenho certeza se eu quero esquivar-me de dar-lhe uma forma de punição. − Ela se balança para escorregar para baixo. Eu bato em sua bunda novamente.
 ― Somente quando eu disser que você pode. − Minha advertência é decisiva. Não sei se posso administrar para ter controle total porque ela me assustou demais pelo seu  bem-estar. Suas transgressões são muitas: evitando meus telefonemas, saindo para conhecer o cafetão de Ella e seu irmão no hospital, quando eu achava que ela estava lá como paciente, contratando um IP (N.T. Investigador Particular) sem falar comigo... Não sei por onde começar. Eu posso fazê-la cooperar, mas ela não vai gostar do jeito que vou fazer isso. Bem, ela vai adorar isso durante, mas vai me odiar depois. E eu vou me sentir como merda. Ainda indeciso com o curso de ação que desejo adotar, deixo Ana deslizar para baixo.
― Vamos tratar disso às claras, Ana. Sabendo quão aterrorizado eu ficaria, por que você se colocou em perigo? Você não é apenas Ana Grey, minha esposa, mas você é a mãe de Teddy! Esqueça de mim, mas você nem mesmo pensou nele? Você tem idéia de como isso poderia afetá-lo se alguma coisa acontecesse com você? − Eu tento segurar a ansiedade esmagadora sobre mim.
 ― Aí está! − Diz Ana.
 ― Aí está o que? − Eu agito minha cabeça questionando. As mãos dela se erguem e gentilmente seguram meu rosto.
 ― Aprendi muito com você. Como ser cautelosa, estar segura, planejar, assumir o controle...
 ― Mas você não assumiu o controle, Ana!
 ― Tudo bem, ótimo, hora da terapia. − Ana puxa seu celular para fora do bolso, percorre a lista de contatos e marca um número. Quando uma voz surpresa responde após o segundo toque, eu sacudo a cabeça com um pequeno sorriso.
 ― Ana, que surpresa ouvir você. Você ainda está em Detroit? − Ela coloca o telefone no viva-voz.
 ― Não, estamos de volta, Dr. Flynn. Mas estamos tendo um pequeno problema. Nós realmente precisamos conversar com você agora, se você estiver disponível. − Flynn me cobra tempo dobrado por telefonemas inesperados, e isso ainda são uns trocados para mim. Na grande piscina de psiquiatras muito caros, ele é o melhor terapeuta que tive e que conseguiu tornar-se meu amigo. Movo minha mão para pegar o telefone, coloco-o na mesa e a conduzo para sentar-se no sofá de couro. Ela senta, com as pernas cruzadas, voltada para o telefone. Sento-me ao lado dela.
 ― Como foi a viagem a Detroit? − Flynn pergunta. A única pergunta significativa que abre as comportas. Depois que ouve a síntese do que aconteceu em Detroit - bom e ruim, eu devo adicionar, Flynn faz perguntas apenas para esclarecer a história.
 ― Estou muito impressionado, Ana − ele afirma logo que há uma pausa, fazendo-me rolar os olhos. Ana sorri.  ― Como você arranjou o IP, e como você conseguiu localizar o cafetão? − Ele questiona em sua pergunta de acompanhamento. Eu mesmo estou curioso para descobrir sobre isso. Ela olha para mim brevemente e suspira.
 ― Eu pesquisei sobre vários IPs e um deles me pareceu muito afiado, um ex-detetive que fechou 93% de seus casos. Eu também usei o cérebro do detetive Clark sobre como escolher um bom IP.
 ― Jesus! Então, você escolheu um IP do nada!  − E se ele fosse um babaca e uma vez que descobrisse quem ela era, usasse essa informação para machucar-nos? Machucá-la?
Ana vê o olhar horrorizado no meu rosto.
 ― Christian, não sou uma idiota!
 ― Não é uma questão de você ser idiota ou não, Ana! Você é uma das mais inteligentes, mas também a mais obstinada, tenaz e batalhadora mulher cabeça dura que conheço. Meu problema é você não querendo entender que tenho inimigos, rivais, pessoas que desejam me ver, ou àqueles que amo, machucados. É por isso que é importante que você deixe as coisas que podem colocá-la no caminho de se machucar fora da sua lista de a fazer!
 ― Por que não posso protegê-lo?
 ― Eu pago a Taylor um dinheiro muito bom para fazer exatamente isso! − Eu rosno.
 ― Christian, eu não estou falando sobre proteger seu corpo! Por que você insiste em sofrer com o seu pesadelo, quando é muito mais simples ter um confronto com o homem que tem o papel principal na sua dor? Você se magoa, eu me magoo, lembra? − ela suaviza sua voz.
 ― Se eu quisesse ter um confronto com ele, eu teria feito isso há muito tempo. Eu odiei esse homem toda a minha vida mais do que qualquer outro! Mais do que Linc! Inferno, até Hyde entrar em nossas vidas em seus caminhos destrutivos, Detroit Willy foi o campeão absoluto da minha lista de mais odiados! O que estou lhe dizendo é simplesmente isso: tudo e todos se tornam inconsequentes quando se trata de você e meu filho. Se é uma escolha entre a possibilidade de você se machucar ou eu continuar tendo pesadelos até morrer, eu escolho o último.
 ― E a sua família, Christian? − A voz incorpórea de Flynn surge do telefone de Ana em um tom sem julgamento.
 ― Eu amo minha família. Mas Ana é diferente. Sou diferente quando estou com ela. Eu não posso, sob qualquer circunstância, lidar com isso se ela se machucar. − A mão de Ana encontra a minha com simpatia enquanto ela se vira para mim e se inclina.
 ― Mas Christian, você não deve me parar porque há uma possibilidade remota de que alguém possa me machucar por um rancor contra você que eu desconheça. − Apenas esta declaração me deixa zangado porque a possibilidade não é remota; tudo é muito real. Ela foi seqüestrada, nosso bebê foi sequestrado pouco depois de ter nascido. A ameaça está sempre presente e aconteceu, mesmo embora eu tivesse uma ampla quantidade de precauções implementadas. Eu apresento todas essas preocupações com o máximo de controle, o que teria feito o diabo ficar orgulhoso. ― Christian, tomei todas as precauções que você achava desejáveis. Você e sua equipe de segurança me deram informações detalhadas sobre estar segura em Detroit. Eu estava segura. Estudei os locais e eu já sabia que Detroit Willy estava incapacitado. Eu simplesmente não sabia o quanto estava mal, e quando o IP foi ao hospital para ‘providenciar’, ela faz o gesto de aspas no ar, o encontro, ele descobriu que Willy estava entrando e saindo da consciência e poderia morrer a qualquer dia, a qualquer hora na verdade, guardando seus segredos com ele sobre Ella, e talvez para sempre condenando você a seus pesadelos. Eu pude finalmente ajudá-lo, potencialmente libertando você dos pesadelos!
Eu olho para Ana silenciosamente. Para me libertar do pesadelo que tive toda a minha vida, minha esposa estava disposta a colocar-se em perigo. Eu a adoro fodidamente e ainda estou bravo com ela por ter sido tão imprudente.
 ― Você poderia ter se machucado!
 ― Havia um risco mínimo, Christian. Havia o IP que deveria fornecer parte da proteção de guarda-costas, e eu sabia que se eu me certificasse de que Sawyer não teria a chance de alertá-lo, ele poderia ser o principal guarda-costas. Eu só não contei que Willy tivesse um irmão. − Isto ela murmura. ― Eu não quero que você me torne assim insubstituível, fácil de destruir parte de sua vida, como um objeto, de modo que que eu não consiga ser um parceiro pleno em sua vida, − ela implora.
― Você não quer ser insubstituível? Por que você simplesmente não arranca meu coração!

― O que você diz a isso, Christian? − Flynn dirige sua pergunta para mim, ignorando totalmente a resposta infantil de Ana. Estou com raiva de ambos!
― Dez ... nove ... oito ... sete ... seis ... cinco ... quatro ... três ... dois ... um ... − Eu conto na minha cabeça, então exalo profundamente.
― Claramente minha esposa esquece que ela é uma parceira plena na minha vida. No entanto, ela me trata como se eu não tivesse nada a ver com sua segurança. Por que você não confia em mim, Ana? Eu tenho lidado com inimigos a maior parte da minha vida profissional. Ela não confia. Isso é algo que eu tenho que ensinar-lhe, mas não posso ensinar-lhe nada se ela não acredita que haja um perigo real!  − Eu zombo.
― Desculpe-me por não ter sido clara, Christian. Eu quis dizer insubstituível como  uma de suas obras de arte, ou como uma das peças no Louvre... − Depois de ver minha cara de paisagem, ela balbucia. ― Eu não acho que estou sendo clara. É simplesmente isso: você não entende que estou tentando provar que sou digna de você, Christian! Se eu não posso ser um parceiro pleno em sua vida, então qualquer mulher pode me substituir. − Ana explode.
 ― O que?!?  Ana, você não precisa tentar provar seu valor para mim. Quero dizer, não é suficiente que eu tenha ficado louco quando eu encontrei você machucada no ano passado? Você quase perdeu nosso filho! Não é um trauma suficiente? Você sabe por que você é importante para mim? − Eu giro completamente para encará-la. Ela balança a cabeça, 'não'.
― Cada mulher que ocupou aquele quarto no Escala e esteve na minha vida por um tempo, só me deu prazer vazio.
 ― Se você lhes desse uma chance, elas poderiam mostrar-lhe seu amor também. Como eu sou diferente se eu não puder ser sua parceira plena no casamento?  − Ela responde, me instigando.
 ― Não. O que aquelas mulheres viram em mim foram poucas coisas: mistério, grande sexo, um homem rico. Elas tinham necessidade de ser dominadas e eu necessitava dominar. Eu preenchi minha necessidade de ser ‘dark’ e seus desejos mais apaixonados. Eu era uma droga para elas. Mas todos elas eram substituíveis. O prazer fantástico pode ser um prazer vazio. Você já sabe disso sobre elas, Ana. Nós já falamos sobre isso há muito tempo.  − Ela ignora o que estou tentando dizer e se desvaloriza.
 ― E quanto a mim, então? Apenas prazer fantástico com um pouco mais de valor intrínseco?  − Ela pergunta veementemente.
 ― Ana, por que você definiria seu valor com Christian em tais termos? − Flynn pergunta.
 ― Não estou definindo, estou perguntando. −  Ela se corrige.
 ― Eu acredito que você chegou a essa conclusão porque você quer que ele valide a resposta que você tem na sua cabeça. −  Ele investiga. Ana fecha os olhos.
 ― Eu não sei se isso é o que eu estou pensando, Dr. Flynn. Na verdade, Christian é excepcionalmente bom em mostrar uma cara de paisagem quando se trata de suas emoções. Mas, de alguma forma, quando eu quero fazer algo importante para ajudá-lo, ele não controla essas emoções. Isso me faz pensar que sou um artefato caro que ele não quer riscado, lascado ou quebrado. Eu não quero luvas de pelica.
 ― Anaaa − a voz de Flynn é paternal, gentil.  ― Você quer que Christian controle suas emoções quando ele a encontra à cabeceira do ex cafetão da mãe dele, e colocando em suas palavras, o homem que teve o papel principal em sua dor e a fonte de seus pesadelos?  −  Flynn calmamente pergunta.
 ― Mas não é isso que você ensina a Christian, a controlar suas emoções? Não seria útil se ele praticasse isso até entender completamente o que exatamente aconteceu? − Ela quase grita em direção do telefone.
 ― Jesus Cristo! − Eu murmuro, enquanto Ana me ignora, revirando os olhos.
 ― Ah ... Você entendeu mal o que eu ensinei ao Christian. Não o ensinei a controlar suas emoções. As emoções não podem ser controladas; elas são canalizadas. Se elas não são canalizadas adequadamente, o indivíduo paga por isso, de uma forma ou de outra. Ajudo Christian a entender essas emoções. Meu principal trabalho é ajudá-lo a tomar consciência do que ele está sentindo, oooou, ele fala arrastado, ―  como ele tem feito há anos, o que ele estava tentando evitar sentir. Ele disse a você o quão destrutivo ele era quando adolescente. Ana fechou os olhos e eu li seus lábios silenciosamente sussurrando duas palavras:  ― Oh, nãããão!
Flynn continua: ― Ana, não podemos evitar sentimentos sem enfrentar as consequências. Christian já sabe como manter as emoções e impulsos destrutivos sob controle, o que em troca, o ajuda a manter o controle sobre suas ações.
 ― Ele não teria me deixado ir se ele soubesse que eu iria ver o ss... −  ela tropeça em suas palavras, ― Sr. Detroit Willy. Você diz que as emoções não podem ser controladas, mas e as minhas emoções, minha necessidade, meu desejo de proteger meu marido? Às vezes, é preciso correr riscos calculados para realizar algo significativo, e eu consegui isso! −  Ela diz com um leve orgulho em sua voz.
Eu ergo minha mão.
 ― Tudo bem. Uma vez que você fez esse enorme esforço e me mostrou que o cafetão é realmente um homem fraco e indefeso, estou disposto a colocar de lado sentimentos, medos ou preocupações por você, por enquanto. Conte-me toda a história.
Após um profundo suspiro, e inspirar, ela diz:
 ― Ao ver a perspectiva de seu irmão poder ser gravemente ferido, Willy ficou falante. Bem, tão falante quanto um moribundo pode ser. Talvez ele quisesse ser absolvido de seus pecados; ou, no final, se você acreditar na pequena cruz tatuada em seu pescoço. −  Ela balança a cabeça e continua.
 ― Enfim, ele me contou que Ella era uma adolescente fugitiva. Não tenho certeza se ela estava tentando encontrar-se ou tinha problemas em casa. Mas ela se foi aos dezessete anos com seu namorado. Ela ficou grávida de você aos dezoito anos e seu namorado adolescente ficou assustado com a perspectiva de se tornar um jovem pai, suponho, e ela não teve escolha senão voltar para a casa dos pais. Mas ela não disse que estava grávida. No início, ela o escondeu, mas então ela contou a sua mãe. Logo que o pai descobriu, eles deram a ela duas opções: ou fazer um aborto ou ser expulsa de sua casa. Ela estava em seu primeiro trimestre, então eles achavam que um aborto poderia ser fácil de realizar. Eu acho que eles esperavam que ela mudasse seus modos imprudentes e voltasse para a escola. Você conhece a opção que ela escolheu e a consequência. − Ela começa. Milhares de imagens atravessam minha mente. Ella fez a escolha de me ter, mesmo que isso significasse que ela se tornasse sem-teto. Por que então ela se tornou uma mãe de merda?
  ― Isso ainda não me diz se ela me teve enquanto ainda estava vivendo com seus pais. Eles poderiam ter mudado de idéia. −  Eu pergunto esperançosamente. Todo mundo merece uma segunda chance. Ela sacode a cabeça com 'não'.  
― Quando Ella foi inflexível em não abortar você, ela também foi inflexível em que ela não iria dar você em adoção. Então, seus pais pensaram: se ela fez a cama, deixemos que deite nela. Ela teve que ir embora. Mesmo que os pais estivessem blefando, ou mostrando amor exigente para ter as coisas de seu jeito quando ficaram difíceis, ela fez uma escolha e partiu para Detroit em um ônibus. Ela pode ter estado em uma jornada para convencê-los - você sabe, suas escolhas seriam melhores que as deles. Mas assim que ela saiu do ônibus, ela foi abordada por um cafetão que recruta essas jovens mulheres - bonitas, mas sem família procurando por elas. Jovem, linda e vulnerável; bem do jeito que eles gostam delas.  − Eu nem percebi que minhas mãos estavam fortemente apertadas até as minhas unhas enterrarem o suficiente para doer.
 ― Era o Willy? −  Sibilo minha pergunta.
 ― Alguém trabalhando para ele; seu recrutador. Prometeu-lhe um emprego, um lugar para ficar, o que ela precisava desesperadamente. Ela era muito ingênua, e ele era muito bom em seu trabalho. Eles não descobriram que estava grávida até que começou a aparecer, depois de quase seis meses.
 ― Ela aceitou ser uma prostituta imediatamente depois do ônibus, embora grávida?  − Eu tenho pouco controle sobre minha raiva.
 ― Christian, deixe ela contar a história e reserve seu julgamento para depois de ter ouvido a coisa toda − A voz de Flynn tenta me acalmar. ― O recrutador não disse que ele estava dirigindo uma agência de prostituição, Christian. Ele a abordou com uma perspectiva de aluguel baixo e possível emprego. Quando o emprego, −  ela faz aspas no ar novamente ― não foi conseguido, e o aluguel, a comida e as pequenas despesas foram pagas por esse suposto amigo novo, ele a quebrou mental e fisicamente para sua nova profissão. Normalmente, mulheres que se recusam são estupradas por gangues. Fazem-nas se sentir inferiores. Drogadas. Dessa forma, elas são totalmente dependentes de seu cafetão. −  Ana pára um minuto e inspira. Eu acho que isso é exatamente o que Ella passou.  
― Eu tenho que confessar; eu não fiz isso apenas por você. Ella era uma mulher. Uma mãe adolescente, sozinha, ou achava que estava sozinha. Ela estava nas mãos dos predadores. Mesmo que ela fosse forte o suficiente para deixar esse estilo de vida, Willy disse que tinham castigos severos para mulheres que tentavam fugir de seus cafetões e quase ninguém se importa se uma prostituta é morta. Willy a prendia através de você. Ele disse que quase todas as prostitutas que têm crianças entregam o filho ao Child Protective Services. Ella queria mantê-lo. Então, ele a drogou e ameaçou-a de que, no momento em que ela ao menos pensasse em fugir ou ir para outro cafetão, ele se certificaria de que você seria levado embora. Depois de ouvir tudo isso, fiquei ainda mais convencida de que sua honra precisava ser reparada como mulher.
―  Eu deveria tê-lo matado! − Eu grito e o vaso de cristal que compramos em Paris foi esmagado contra a parede. Quinze segundos depois, há uma batida na porta.
― Está tudo bem, senhor? −  Taylor pergunta do outro lado da porta.
― Sim, Taylor, está. −  Ana responde com uma voz gentil.
― Você tem certeza?
― Sim, apenas faça Gail vir em meia hora com a vassoura, por favor. − Ela responde.
 ― Senhora.
 ― Christian, eu quero que você venha ao meu consultório amanhã. −  A voz de Flynn soa, junto com a minha equipe de segurança.
Ana se aproxima. ― Christian. Há algumas coisas que você precisa saber. Ella amou você e lutou para mantê-lo apesar de todas as suas debilidades.
― Talvez ela deveria ter desistido de mim!
― Ou talvez ela simplesmente não pudesse confiar num mundo onde tudo em que ela confiava lhe virou as costas. Primeiro, o namorado, depois os pais dela, e depois o cafetão. Você era tudo o que ela tinha. −  Ana a defende.
― Você não entende, Ana? Não importa que eu fosse tudo o que ela tinha. Ela estava drogada a maior parte do tempo para ao menos perceber que eu existia. Eu, uma criança de 4 anos cuidava dela! Ela desistiu no final! Depois de tudo pelo que ela lutou, ela aceitou a derrota! −  Não há nada além de compreensão e simpatia nos olhos de Ana.
― Christian, você era sua fraqueza. Ela não podia desistir de você, mas não podia lhe proporcionar uma vida decente e normal também. Na verdade, Ella tentou fugir três vezes. As fotos que ela enviou para sua família foram seu esforço para voltar para eles com o rabo entre as pernas. Mas seu cafetão esmagou-os quando eles vieram buscá-la. Ele disse a eles: desculpem-me por isso, a prostituta está morta. Eles estavam procurando por você, o que não era bom para o negócio de Willy. Então, ele disse: por que vocês acham que a cadela está morta? Porque ela era uma mãe de merda e não cuidava de seu filho. Ele morreu, ela se matou.
― E eles engoliram isso? − Estou completamente incrédulo.

"Com uma dor tão profunda, a língua deve se mover em vão; a linguagem dos nossos sentidos e memória não possui palavras para tal dor. "                                                                                                                                        Inferno de Dante
― Eles devem ter aceitado, por causa do tanto que ela lutou com eles para mantê-lo. Assim, ela nunca conseguiu ver seus pais depois que os deixou. Ella foi mantida em absoluto desespero. Ela era escrava de seus vícios e de seu cafetão. Enquanto ela estivesse viva, o cafetão usaria sua existência como uma arma contra ela. A única maneira que ela pôde encontrar para dar a você o salto para uma vida normal, fora de sua própria miserável vida, foi sair da sua vida. Por isso ela se matou, Christian! Um último ato de amor maternal.
― O quê? − Não consigo reconhecer minha própria voz. Sacudido em meu âmago com a percepção de que, em toda a sua maternidade de merda, ela realmente me amava. No entanto, eu tinha causado a morte dela.
― Christian, você era a única coisa pura e certa em sua vida. Você era o filho do amor, amor adolescente na verdade, mas amor apesar disso. Você foi a culminância de suas esperanças e sonhos.
― Eu era seu calcanhar de Aquiles! Ela poderia ter tido uma vida normal longe dos cafetões e clientes e drogas, se tivesse me abortado...  − Ana interrompe.
― Ela também poderia ter dado você em adoção logo que você nasceu. Isso não foi você, Christian! Ella quis você, como qualquer mãe que aguarda o dia em que segurará seu bebê em seus braços. Ela fez essa escolha de bom grado, mas quando ela estava presa nas drogas - principalmente a heroína, e na prostituição, ela só podia pensar em uma maneira de salvá-lo.
― Não! não... não... não... − Primeiro, eu congelo no lugar, então eu sinto um tremor incontrolável tomar conta de mim. Ana corre para mim e me abraça tão apertado quanto ela consegue. Meus braços não cooperam comigo para segurá-la.
Unsteady - X Ambassadors

― Christian, ouça-me, − diz Flynn com firmeza. ― Se Ella era viciada em heroína, estivesse você com ela ou não, ela já estava nas garras da destruição. Você sabe tudo sobre vícios. A heroína é mais forte do que qualquer laço humano, qualquer argumento convincente e mais forte do que qualquer crença religiosa que o viciado aprecie. É como se os adictos estivessem possuídos. Eles têm muito pouca ou nenhuma capacidade de se importar. A sua percepção da realidade desapareceu. Se Ella tivesse um momento de clareza, ela teria percebido isso. Para ela, mantê-lo nesse ambiente teve mais efeitos negativos para você do que qualquer outra coisa que você experimentou depois. Quanto a você ser abortado ou não: há bebês nascidos de mães adolescentes todos os dias. Essas crianças podem muito bem continuar tendo vidas felizes se a mãe tiver apoio ou se o bebê for adotado por outra família. Ela fez escolhas como todos nós fazemos todos os dias. Nós não culpamos os outros. Você não consegue suportar o peso das escolhas dela. Ela pagou por isso completamente, para que você pudesse ter uma vida. De qualquer forma, seria homenageá-la se você jogasse isso fora? − Fico sem palavras. Devo estar em estado de choque.
― Christian, fale comigo, por favor! Christian!  − Ela segura meu rosto em suas mãos e olha para mim. Eu olho para ela sem vê-la.
― Christian! Olhe para mim! Olhe, baby! Christian! Dr. Flynn, ele não consegue parar de tremer! − Grita Ana, sua voz distante. Ela bate levemente no meu rosto com as duas mãos.
― Olhe para mim, baby! − Ela ordena, a coisinha mandona.
― ANA! −  Com essa chamada autoritária de seu nome, ele consegue sua atenção.
― Sim! −  Ela diz com total atenção.
― Isso é perfeitamente normal. Ele teve muito para absorver, e mesmo para um cara duro como Christian é esmagador. Ele está sofrendo nesse instante. Dê-lhe tempo. Estarei logo aí, − e ele desliga. Que grosseiro!
― Christian! −  E ela sobe no meu colo, e apenas trava seus lábios com os meus. Primeiro suavemente, então quase me instigando a assumir o controle, me arrancando com força das profundezas onde minha alma afundou, ela beija duro, sugando meu lábio inferior, arranhando com seus dentes. Seu cheiro delicioso permeia meus sentidos. Ela empurra minhas mãos para as minhas costas efetivamente tomando o controle. Isso encaixa algo dentro de mim e desperto.

Eu me movo como uma cobra, levanto-a e a jogo de costas no sofá, efetivamente imobilizando-a em baixo de mim.
― Assumindo o controle novamente, Sra. Grey? −  Eu murmuro em seus lábios. O sexo sempre foi meu mecanismo de compensação.
― Bem-vindo de volta, − ela sussurra e envolve as pernas em volta da minha cintura. Pego seus braços e prendo-os sobre sua cabeça.
― Sra. Grey, eu vou te foder de todas as formas imagináveis! − Eu efetivamente a imobilizo debaixo de mim e movo habilmente minha pelve em seu sexo. Ela só pode gemer em resposta.
Há uma batida forte na porta.
― O que!?! − Eu rosno.
― Sr. Grey, há um assunto importante que necessita sua atenção. − O que poderia ser tão importante agora?
― Meu escritório! −  Eu ordeno.
― Senhor! − É a resposta de Taylor.
― Você prometeu de todas as formas! −  Ana protesta.
― Marcado para mais tarde, baby. Eu vou fazer valer a pena sua espera, − digo gentilmente.
― Christian? −  Seu enunciado do meu nome está carregado de ansiedade, preocupação e zanga, do jeito de uma mulher que não obteve o sexo de todas as formas possíveis que lhe foi prometido. Essa rispidez me faz sorrir.
― Você sabe, eu sempre mantenho minha palavra, baby. Além disso, Flynn deverá estar aqui em breve. OK?
― OK, − ela concorda depois que vê que eu estou de volta ao controle. Quando chego à porta, ela me chama de novo.
― Christian! −  Eu olho para trás.
― Você está acima de tudo... l’amor che move il sole e alter stelle − ela cita O Paraíso de Dante. Desta vez, meu sorriso tem calor.
― Pelo contrário, Sra. Grey, você é o amor que move o sol e as outras estrelas. Nunca pensei em me identificar com todos esses homens torturados pelo amor. Dante, Heathcliff, ou mesmo, Darcy. Você é minha Beatrice, Catherine, Elizabeth, todas juntas em uma. Minha Anastasia. −  Com isso ela corre para mim, quase que salta para me beijar com tudo o que ela consegue.

*****          *****

“Um rápido raio rasgará as nuvens,
e cada branco será queimado por feridas.
Eu lhe digo isso. Eu quero tudo doendo."
Dante Alighieri, Inferno

Dois minutos depois estou no meu escritório.
― Acabei de receber um texto, senhor, − Taylor começa sem um preâmbulo. Eu olho para o nome, e eu não reconheço isso. Pierce o S.
― Quem é Pierce? − Pergunto.
― Sra. Lincoln... hum... novo amigo.
― Você me chamou aqui, longe de minha esposa, por causa de Elena? Agora, estou realmente zangado.
― Sr. Grey. Leia o texto, por favor. 

*Sr. Taylor. A Sra Lincoln disse que você está informado sobre mim. Que eu só entrasse em contato com você em situações de vida ou morte. Eu acho que isso conta como uma: Alguém atingiu intencionalmente o carro dela do lado do motorista, esta tarde, & ela está ligada à vida por um tênue fio. Socorro! *

Há uma foto de Elena anexada à mensagem parecendo pior do que quando Linc lhe deu uma surra. Porra!